Curta e fique por dentro!

[Resenha] Como dizer adeus em robô.


Título original: How to Say Goodbye in Robot
Autor (a): Natalie Standiford
Editora: Galera Record
Ano: 2013
ISBN: 9788501091024

Sinopse: Com um toque melancólico, o livro conta a singular ligação entre Bea e Jonah. Eles ajudam um ao outro. E magoam um ao outro. Se rejeitam e se aproximam. Não é romance, exatamente mas é definitivamente amor. E significa mais para eles do que qualquer um dos dois consegue compreender... Uma amizade que vem de conversas comprometidas com a verdade, segredos partilhados, jogadas ousadas e telefonemas furtivos para o mesmo programa noturno de rádio, fértil em teorias de conspiração. Para todos que algum dia entraram no maravilhoso, traiçoeiro, ardente e significativo mundo de uma amizade verdadeira, do amor visceral, Como dizer adeus em robô vai ressoar profunda e duradouramente.

"– Todo esse tempo eu tive essa sentai estranha, como um membro fantasma – falou ele. – Sabe, como quando amputam sua perna ou alguma outra coisa e dizem que você ainda pode senti-la mesmo depois que não está mais ali? Seu pé coça, você vai coçá-lo... mas não há nada para coçar. Foi assim que me senti durante dez anos. Como se algo, ou alguém, estivesse ligado a mim por um fio invisível e estivesse sempre puxando, puxando, puxando... mas quando eu tento puxar de volta, não há nada na outra ponta."

Beatrice Szalo é uma adolescente que acabou de se mudar com a família para Baltimore. Como a cidade é pequena, todos se conhecem desde sempre, mesmo que não sejam amigos. Bea não demora a conhecer as pessoas, mas ela sente que não são amigos de verdade, já que não há muito em comum entre eles.

Sua colega, Annie, a agradece por mantê-la afastada do Garoto Fantasma na hora da Assembleia, Bea ficou interessada no porquê de tanta comoção em relação a um único garoto, que a primeira vista é bem inofensivo. E de do, Jonah Tate é inofensivo, ganhou o apelido de Garoto Fantasma na 7ª série e de uma forma bem cruel, só que ele nunca deu muita bola a isso.

Bea e Jonah começam uma amizade que não é bem uma amizade, porém nem eles sabem classificar o seu relacionamento. Bea compartilha muito de si com Jonah, e passa a ser a primeira amiga dele em anos, o que é algo raro e inesperado para os demais. Eles fazem tudo praticamente juntos, no entanto é uma amizade com altos e baixos por parte do Jonah.

"Eu sentia como se fosse possível abrir uma porta no meu peito oco de metal – só abrir-la, facilmente – e ver meu coração latejando, cru e sangrento e dolorido. Você até podia esticar a mão e apertá-lo se quisesse. Eu não queria ninguém chegando perto o bastante para abrir aquela porta e ver aquela bagunça."

Há anos que eu quero ler esse livro. Só que sendo bem sincera, não sabia o que esperar do livro. Na verdade, eu não sei dizer o que me chamou a atenção nessa obra. O livro não me decepcionou, mas eu estava esperando algo totalmente diferente, e fiquei um pouco pra baixo com o final dado ao livro.

Bea está passando por muitas mudanças em sua vida. Tem que se adaptar em mais uma cidade, lidar com os surtos da mãe e um pai que a ama, mas que é muito ocupado. Além disso, ela não tem muitos amigos e a única pessoa que chega perto disso é Jonah, que esconde muitas coisas dela e não sempre se afasta. Bea é tratada como um robô pela mãe, pelo fato de não se expressar tão abertamente, e por isso el vive tentando mostrar que é humana e que sente coisas (sentimentos) como todo mundo.

Eu sou completamente leiga no assunto psicologia, porém acredito seriamente que o Jonah sofresse de depressão ou algum distúrbio com sintomas parecidos. A princípio achei que o fato dele ter perdido a mãe e o irmão gêmeo fosse a razão, só que ao receber um boa notícia, ele fica tranquilo e de certa forma mais aberto, e é aí que notamos algumas características, o modo como ele odeio não só o pai, mas a todos com que convive. Jonah também é um pouco instável e anti-social. E, infelizmente, eu esperava por uma mudança de sua parte, que não veio e me chateei muito com esse personagem, pois, para mim, ele não aprendeu nada e muito menos evoluiu como ser humano.

No geral, o livro é muito bom, a leitura é bem leve e assim li o livro bem rapidinho. Apesar de algumas características me incomodarem, achei os personagens bem marcantes. É uma leitura rápida, às vezes divertida, que fala sobre as muitas mudanças que enfrentamos na adolescência, de emoções, amor, amizade, relacionamento familiar, de perdas, de como lidar com o turbilhão de sentimentos que nos assola nessa fase e principalmente como lidar com um coração partido.


Beijos e até o próximo post!

18 comentários:

  1. Parece o tipo de livro que me deixaria com muita raiva! Hahaha. Não conhecia o título. Beeeijooooooosss :*

    ResponderExcluir
  2. Que coisa mais linda esse livro menina, digo pra ti que fiquei bem interessada, ainda mais cm esse título, a história parece ser bem engraçadinha e fofo <3 mas acho que me emocionaria.
    Beijinhos da Morgs!

    ResponderExcluir
  3. Oi! Já conhecia essa capa mas nunca soube do que se tratava. Parece ser uma história interessante e fiquei curiosa em saber o desfecho final dela. Amei sua resenha e mesmo já prevendo que vou me irritar em alguns momentos com os personagens kk, a história me chamou atenção e acho que vou me arriscar.Bjss!

    ResponderExcluir
  4. Ola lindona lidar com instabilidade emocional em um livro como nesse caso com o protagonista pode deixar o leitor um pouco frustado, afinal sempre queremos ver a evolução dos personagens para melhor, a instabilidade irrita e muito. Por essas razões dessa vez vou deixar a dica passar. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?

    Tenho a imprensa que é o que chamam hoje em dia de young adult, livro para e com adolescentes, né? Tenho problemas com esse tipo de romance, fico perdida nas história, não consigo entrar no enredo.

    Sua resenha foi uma graça, gostei demais das dicas e toques que deu sobre a obra.

    bjsss

    ResponderExcluir
  6. Olá ♥
    Já vi essa capa, mas nunca procurei saber do que se tratava.
    Parece ser um livro que talvez nos traga uma bagagem emocional densa vinda junto com os personagens. Gostei de saber que os personagens são marcantes. Fiquei curiosa em fazer a leitura desse livro, espero um dia ter a oportunidade de ler. Parabéns pela resenha. Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oie!
    Eu já li esse livro e não gostei tanto da história.
    Achei a trama um tanto melancólica. Talvez se eu fizer a leitura hoje, veja de outra forma.
    bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  8. Já tinha visto esse livro em algum lugar, mas não sabia que o assunto era esse. Pelo visto ele possui uma carga emocional grande, com altos e baixos. Não estou no momento certo para ler essa obra, mas certamente darei uma conferida. Obrigada pela sugestão.

    ResponderExcluir
  9. Olá Thayenne,humm, esse livro não me chamou a atenção, essa coisa indecisa, de é amor ou não, amizade ou não, não sei, acho que ia passar raiva lendo. Bjokas.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Thay
    Gosto de livros assim, rapidinhos. Às vezes é bom, né?
    Nunca parei para prestar muita atenção nesse livro, mas leria sim. Que bom que aprovou e recomenda. Uma ótima dica.

    Blog Livros, vamos devorá-los?

    ResponderExcluir
  11. Olá
    Ando fugindo de livros com temática adolescentes, é muita dor de cabeça e chororô para o meu gosto. Mas o Desafio lá no meu blog vai pedir um livro que se passa na escola e esse poderia ser uma pedida, quem sabe.

    ResponderExcluir
  12. Heiii, tudo bem?
    Que titulo interessante, ainda nao conhecia o livro "Como dizer adeus em robô", achei a capa lindinha tb.
    Eu sei como é ficar mto na vontade de ler e no final nem ser essa coca-cola toda.
    Mas gostei do que falou do livro e eu leria de boa.
    Leituras leves e tranquilas to precisando demais.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  13. Oi Thay!
    Haha o enredo não diz nada sobre o título. Eu ficaria decepcionada se lesse sem ver sua resenha antes (já que não gosto de ler sinopses).
    Acho que o livro parece um pouco complicado e depressivo. Não faria a leitura no momento, mas quem sabe mais pra frente?
    Bj

    ResponderExcluir
  14. Oi! É interessante, da última vez que li uma resenha desse livro, a blogueira teve uma visão bem diferente da sua. Acho legal ver diversas opiniões ^^ Mas, ambas concordaram com ser uma leitura leve e divertida. Já está na minha lista, estou aguardando a oportunidade de conseguir o livro. Parabéns pela resenha! bjs

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem? Nossa ganhei esse livro no Mochilão da Record, mas nunca tive o interesse de ler ele, por isso acabei doando. Sua resenha me despertou para lados que não esperava estar no livro e agora estou pensando seriamente em ler. De fato essas questão de algumas coisas das personalidades dos protagonistas te incomodar, me deixa com um pé atrás, mas acho que darei chance sim porque é uma leitura leve. Gostei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Que título estranho! Não conhecia...e jamais chamaria minha atenção para ler só pelo título, mas sua resenha me deixou bem curiosa!!!!

    bjs...

    ResponderExcluir
  17. Oi,
    Eu não conhecia o livro!
    Mas fiquei feliz que é uma leitura rápido e as vezes divertida.
    Parabéns pela resenha
    beijos
    Daya

    ResponderExcluir
  18. Faz anos que também quero ler esse livro, mas assim como você esperava mais da história. Uma pena quando criamos expectativas e as mesmas não são atendidas. Que bom que de forma geral a leitura foi boa para ti. Parabéns pela resenha.

    Bjs, Glaucia.
    www.maisquelivros.com

    ResponderExcluir

© Entre óculos e Livros - Todos os direitos reservados.
Criado por: Thayanne.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo