Curta e fique por dentro!

[Resenha] Querida Sue.


Título original: Letters from Skye
Autor (a): Jessica Brockmole
Editora: Arqueiro
Ano: 2014
ISBN: 9788580414080

Sinopse: Março, 1912: A jovem poeta Elspeth Dunn nunca viu o mundo além de sua casa, localizada na remota ilha de Skye, noroeste da Escócia. Por isso, não é de espantar a sua surpresa quando recebe uma carta de um estudante universitário chamado David Graham, que mora na distante América. O contato do fã dá início a um intercâmbio de cartas onde os dois revelam seus medos, segredos, esperanças e confidências, desencadeando uma amizade que rapidamente se transforma em amor. Porém, a Primeira Guerra Mundial força David a lutar pelo seu país, e Elspeth não pode fazer nada além de torcer pela sobrevivência de seu grande amor. Junho, 1940, começo da Segunda Guerra Mundial: Margaret, filha de Elspeth, está apaixonada por um piloto da Força Aérea Britânica. Sua mãe a alerta sobre os perigos de um amor em tempos de guerra, um conselho que Margaret não quer ouvir. No entanto, uma bomba atinge a casa de Elspeth e acerta em cheio a parede secreta onde estavam as cartas de amor de David. Com sua mãe desaparecida, Margaret tem como única pista do paradeiro de Elspeth uma carta que não foi destruída pelas bombas. Agora, a busca por sua mãe fará com que Margaret conheça segredos de família escondidos há décadas. Querida Sue é uma história envolvente contada em cartas. Com uma escrita sensível e cheia de detalhes de épocas que já se foram, Jessica Brockmole se revela uma nova e impressionante voz no mundo literário.

"Eu devia ter lhe contado. Devia tê-la ensinado a proteger seu coração. Ensinado que uma carta nem sempre é apenas uma carta. As palavras na folha são capazes de inudar a alma. Ah, se você soubesse..."

No cenário da Primeira Guerra Mundial, com uma simples troca de cartas, surgirá uma amizade que anos mais tarde se tornará algo mais. David Graham é um simples estudante, após ler Do ninho da águia envia uma carta a autora, a parabenizando por seu talento. A autora é Elspert Dunn residente da ilha de Skye, na Escócia, que sempre sonhou se tornar uma geóloga, mas por medo de entrar numa embarcação, nunca saiu da ilha, além de ser mulher numa época comandanda por homens.

E é através de Davey (apelido que ela colocou em David) que ela poderá vislumbrar lugares, que a mesma poderia vir a conhecer se deixasse o medo de lado. Através de suas cartas, além de se conhecerem melhor, eles também conhecem novas culturas, novas pessoas e o principal: amor!

Anos depois, na Segunda Guerra, Margareth Dunn, após um ataque aéreo de bombas, nota que sua mãe desapareceu. Antes do ataque, elas discutiram pelo motivo de sempre, Margareth sempre quis saber quem era o seu pai, mas sua mãe sempre desconversava e mudava de assunto. Porém, naquela noite foi diferente, Margareth falou tudo o que lhe entalava a garganta. E quando a primeira bomba explodiu, cartas endereçadas a uma mulher chamada Sue saíram voando do esconderijo, a mãe até tentou esconder, mas Margareth teve tempo de ler e decorar uma delas.

Como se encontravam em meio a um ataque, Margareth incentivada pela mãe correu para um abrigo. Contudo, ao retornar não conseguiu mais encontrar sua mãe. E quando dias depois recebe uma carta dela, decidi ir em busca das respostas para as inúmeras dúvidas que lhe ronda a mente.

"Ela se colocou numa situação de ser destroçada, e foi."

É tão difícil escrever sobre um livro que foi tão bom, faltam me palavras para expressar tudo o que senti durante e até mesmo depois dessa leitura. Apesar do cenário trágico, a autora preferiu focar em outros pontos, como a amizade entre Davey e Elspert ou a procura de Margareth por suas respostas, o que achei que funcionou super, pois a história em si já é emocionante, agora imaginem se a autora focasse na guerra também?

Os personagens foram muito bem desenvolvidos, e os que mais me tocaram foram o Davey e Elspert. Elspert era uma sonhadora, tinha a mente nas nuvens e muito disso se deve pelo fato dela ser escritora, é uma personagem com características marcantes, mas ao mesmo tempo comuns. Já o Davey era apaixonante, um garoto muito especial e atencioso, que mesmo anos tendo se passado não perdeu o interesse que tinha por Elspert mesmo sabendo dos empecilhos que os rodeava. Margareth é uma mulher muito forte, a começar por sua profissão, não sei bem como explicar o que ela fazia, pois não é uma profissão comum dos dias atuais, só posso dizer que era algo delicado, ainda mais para uma mulher em tempos de guerra, mas ainda assim ela amava o que fazia.

Foi uma história muito emocionante sobre como o amor é capaz de atravessar o tempo e ainda assim se manter intacto. É inexplicável as emoções que o livro transmite. Chorei muito com o final, pois foi lindíssimo e eu não estava esperando pelo o que aconteceu. Só peço que leiam e desfrutem de uma maravilhosa leitura, que é doce, tocante e muito emocionante. Além de tudo, é um livro muito curtinho e em formato de cartas, o que faz com que seja uma leitura muita rápida, leve e fluída.


Beijos e até o próximo post!

5 comentários:

  1. Linda sua resenha! Um livro que gostaria de ler, apesar de não gostar da parte da guerra, adoro livros que fazem chorar e quando o final é uma surpresa, melhor ainda.
    One
    Onebooksoficial.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oii!!
    Adorei a resenha. Já tinha visto o livro em alguns lugares, mas não sabia do que se tratava. Eu adoro livros que mostram o amor no decorrer do tempo, tanto que meu romance favorito é Um Dia.
    Darei uma olhada nele quando eu for à livraria. Beijos!!

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir
  3. Amei sua resenha, só pelo fato de se passar na segunda guerra já me chamou a atenção, apesar de ter sido um momento muito triste da história, gosto de livros voltados para esse tema.
    E ainda tem um toque de romance, o que não pode faltar! haha esse livro já entrou pra minha listinha <3
    Beijos

    www.ironiadascapas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Amei sua resenha, adoro livros que envolvem cartas e esse me chamou bastante atenção. O primeiro trecho me fez arrepiar, bom sinal HAHA!

    ResponderExcluir
  5. Não é lá meu gênero favorito, mas como você falou tão bem, deu até curiosidade de ler. Vou adicioná-lo a minhas pequena lista hehe!
    Ótima resenha. Bjos!!

    bookbus1.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

© Entre óculos e Livros - Todos os direitos reservados.
Criado por: Thayanne.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo