Curta e fique por dentro!

[Resenha] Mulheres que não sabem chorar.


Autor (a): Lilian Farias
Editora: Giz Editorial
Ano: 2016
ISBN: 9788578552619

Sinopse: A vida de Marisa é regida pelo controle. Seja à frente do seu trabalho ou da vida dos filhos, ela é racional, mantendo-se sempre fria, um ser à parte das banalidades, cuja única preocupação é ser um exemplo. Olga é sua antítese. Sentimentos à flor da pele, dor flagelando a carne, pensamentos embaçados pelo esquecimento proporcionado pelo álcool. Sozinha, preocupa-se em apenas ser, em um mundo cercado por fatos que não reconhece mais como seus. Enquanto isso, Ana e Verônica esbarram com o acaso. Duas senhoras solitárias, vizinhas e antagônicas. Será que um dia alguém acharia que poderiam viver em paz? Mais ainda, será que poderiam se apaixonar? Duas jovens livres e independentes. O que as impede de ficar juntas? 

"A arte de se destruir parecia ser um dom que a acometia."

Marisa teve que conviver com pais ditando-lhe o que fazer, e por isso acabou fazendo o mesmo com os próprios filhos. Marisa se tornou tão exigente com os dois, que eles se uniram na esperança de não deixar que a dureza da mãe os afetassem. Adulta, Marisa usufruiu de tudo o que lhe foi proibido quando mais nova. Chegou a se casar duas vezes e a viver incontáveis casos amorosos. Sozinha, conseguiu montar seu próprio negócio e se tornou uma empresária bem sucedida. 

Olga desde muito nova é chegada a ter vícios. Era o tipo de garota que os outros pais aconselhavam as filhas a manterem distância. Já adulta o vício na bebida se tornou seu companheiro mais fiel, se afastou de todos os amigos, o marido não conseguiu conviver mais com isso. Perdeu quase tudo, e teria perdido muito mais se sua filha única, Maria, não tivesse falecido. Maria pediu que ela aproveitasse a vida que tinha, já que ela mesma não poderia, pois esse direito lhe foi tomado. Disposta a cumprir com o combinado, Olga passou a ir a reuniões do A.A, mas se livrar de um vício nunca é fácil e ela terá que enfrentar muitas provações.

Marisa e Olga são vizinhas há mais de vinte anos e não se dão bem, acredito que nem elas mesmas saibam como isso começou, é como uma rotina. Contudo, Marisa não hesitou em socorre-la e depois ajudá-la na recuperação. Isso é tudo o que falarei sobre a estória, pois é um livro curtinho e qualquer informação a mais poderá ser um spoiler.

"Ela se acostumou às agressões da vida, seria apenas mais uma e sem a devida reflexão."

As personagens aqui apresentadas vieram marcadas pelo seu passado, e mesmo sendo difícil terão que enfrentar seus próprios demônios, para que assim possam ter uma vida tranquila. O que mais achei interessante nelas foi que sempre tiveram uma auto-imagem definida e só anos mais tarde vieram descobrir, que aquilo não passava de uma ilusão, de que muitas vezes levamos meses ou até mesmo anos para descobrimos quem realmente somos.

Eu meio que já sabia o que esperar dessa leitura, pois fui ao lançamento do livro aqui na minha cidade, e teve um bate-papo muito legal com a Lilian. Minhas expectativas estavam altas e o livro não só conseguiu alcançá-las, como supera-lás. Por se tratar de um romance entre duas mulheres, eu não sabia bem como eu reagiria a isso, não tenho preconceitos, mas é aquela coisa né, nós temos receios com aquilo que desconhecemos, principalmente porque nunca tinha lido algo do gênero, e fiquei muito surpresa (devo confessar) ao não encontrar nenhum tipo de relutância, foi uma leitura muito natural. 

O que podem esperar dessa leitura é, várias estórias e situações diferentes que as mulheres enfrentam diariamente -  provavelmente você já passou por algumas delas - por meio do ponto de vista de três mulheres, como elas lidaram com isso, como se sentiram, o que pensaram e como isso lhes afetou.

Não tenho o hábito de ler livros com bases feministas ou com estórias só sobre mulheres, e até ler este livro não sabia o que estava perdendo. Sempre é bom saber como outras pessoas se sentem sobre determinadas situações, mas ver/ler sobre como as injustiças da vida e o machismo - muitas vezes por parte de outras mulheres - influenciam o meio em que vivemos, é doloroso  de acompanhar, ver que os mesmo erros de antigamente continuam a se repetir, sem que os culpados paguem por seus erros.

Um livro que me fez chorar. Que me prendeu com suas lições belissímas de vida, com a leveza na escrita da autora ao tratar de assuntos tão tensos e tristes, com personagens tão marcantes. E que me fez pensar sobre os pré-julgamentos que fazemos a desconhecidos ou até mesmo a conhecidos. Leia o livro, reflita sobre o assunto e depois venha conversar comigo sobre, pois preciso desesperadamente de falar com alguém que já leu hahaha.

E aí, já leram? Gostaram? Comentem aqui embaixo o que acharam, eu adoraria saber. Beijos e até o próximo post.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Entre óculos e Livros - Todos os direitos reservados.
Criado por: Thayanne.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo